Balada de saudade (Bela Síol)

19 jan

Não desapareça tão de repente,
Pois mesmo indo embora,
Deixaste sementes,
De um amor inexplicável,
Que tinha tudo pra não ser…
Mas um dia, germinou, brotou,
Cresceu, floresceu…
E este amor ainda não me deu frutos,
Mas deixou sementes,
Que cuido com o jeitinho,
Com que se guardam bebês,
Pois um dia virão a ser,
Árvores… E quem sabe floresta?
Só preciso que não sumas,
Nem pra sempre,
Nem por muito tempo,
Porque posso suportar sua ausência,
Quando sei que estás bem,
Mas viver a saudade infinita,
Não está nos meus planos,
De te oferecer meu amor.

Bela Síol 19/01/2012
Dedicado a uma ovelha desgarrada!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: